10/07/2017

Lideramos países, ganhamos medalhas... e brilhamos nas festas juninas

Motivo #219

Orgulhão made in Sérvia: pela primeira vez na história do país balcânico, uma mulher - e uma mulher abertamente lésbica - chegou ao posto de primeira-ministra. Ana Brnabic tomou posse no dia 29, duas semanas após ser indicada ao cargo pelo presidente Aleksandar Vucic. Sem fugir das duras críticas que recebeu dos oponentes, a nova premiê discursou por mais de uma hora aos colegas parlamentares e à população sérvia. "Tenho grandes metas para o futuro. Vamos deixar juntos o passado onde ele pertence - no passado."



Motivo #220

Iniciativas homofóbicas vêm levando toco até em países não muito alinhados às políticas de direitos humanos. Este hospital chinês foi multado e condenado a se desculpar em público por ter forçado um paciente gay a receber tratamento para "curar" sua orientação sexual.

Motivo #221

A Agência das Nações Unidas para Refugiados e o Escritório do Alto Comissariado da ONU para Direitos Humanos lançaram uma cartilha que informa refugiados LGBTs sobre como buscar apoio no Brasil. Dados da própria ONU apontam que o país já recebeu mais de 250 pedidos de refúgio feitos por pessoas perseguidas em seus países com base em orientação sexual e identidade de gênero. Saiba mais.

Motivo #222

Emocione-se aqui com a história de Maria Fernanda Hashimoto, primeira funcionária trans da GE no Brasil. "Saber que a empresa iria me ajudar facilitou as coisas em casa. Meus pais entenderam a situação e decidiram entrar na luta também. Percebi que era possível conciliar carreira com felicidade."

Motivo #223

No Rio de Janeiro, o tradicional Colégio Santo Inácio fez uma festa junina purpurinada: inseriu na quadrilha dois casais gays - dois meninos e duas meninas.

Motivo #224

Savannah, de apenas 12 anos, saiu do armário durante um encontro mórmon em Eagle Mountain, Utah, Estados Unidos, e sua coragem ganhou o mundo. “Acredito que fui feita do jeito que sou pelos meus pais celestiais. Eles não se confundiram quando me deram olhos castanhos ou quando eu nasci careca. Eles não se confundiram quando me deram sardas ou quando me fizeram gay”, afirmou a menina em pleno púlpito. Tamanha bravura rendeu a Savannah uma homenagem emocionante da Human Rights Campaign. Veja:



Motivo #225

No mesmo evento em que Savannah foi homenageada, Gus Kenworthy, esquiador olímpico americano que virou, em 2015, o primeiro atleta de alto rendimento no esporte radical a se assumir gay, ganhou o Prêmio Visibilidade da Human Rights Campaign. "Durante toda minha juventude, desejei ser invisível, desejei desaparecer. Hoje, quase 20 anos após eu ter me descoberto, aqui estou, aceitando um prêmio pela minha visibilidade como um homem assumidamente gay e orgulhoso", disse o atleta. Veja o vídeo completo:




Saiba mais sobre o Projeto Orgulhão