08/07/2016

'Desapegar é contagiante. Consumir de forma mais consciente também'

Por Carolina Hanashiro*

E lá se vão oito meses de Desapegão! Abracei o projeto em novembro, poucos dias após as barragens da mineradora Samarco se romperem e jogarem lama e dejetos sobre a cidade de Mariana. O terrível desastre ambiental deixou pessoas sem casa e sem trabalho, do dia pra noite. Uma chance e tanto para colocar o Desapegão em prática.

Sem ter adquirido nenhuma peça nova, resolvi "fazer a limpa" no armário para doar roupas às vítimas do desastre. Saíram 61 peças (algumas do maridão) e tenho que admitir que foi muito, muito fácil. Era só pensar na situação daquelas pessoas que qualquer "calça in-crí-vel", qualquer "blusa achado", qualquer "sapato tãaaaaao confortável" virava apenas um pouco de pano para cobrir o corpo. Foi fácil também porque - como ficou evidente -  o armário estava superlotado.



Em dezembro, o desafio começou de verdade. Com o Natal e meu aniversário um mês e meio depois, vieram os presentes. E, apesar de já ser adepta da prática do "entra uma peça, sai outra" há cerca de dez anos, escolher o que tirar não foi tão fácil assim. Agora eram duas que saíam e não uma. Agora as peças menos queridas já tinham ido embora.

O curioso é que o difícil não era exatamente o apego às roupas. Com a prática, desapegar - e principalmente reduzir o consumo - é um exercício delicioso. O que realmente deu algum trabalho foi enxergar de verdade o meu armário (mas literalmente falando, ficou muito mais fácil ver tudo o que há nele): parar para pensar o que há de mais útil ali, o que tem mais a ver com o meu estilo atual, minhas necessidades, meu momento de vida... Cada substituição virou uma, digamos, terapia de autoconhecimento.

Em oito meses, comprei seis peças e ganhei outras nove. Fizeram as contas? 30 doações? Na verdade, 50 (mais as 61 iniciais). Isso porque desapegar é contagiante. Consumir de forma mais consciente também. E, embora saiba que ainda tenha muito que evoluir nestes temas, estou muito feliz com o resultado.



* Carol Hanashiro é parceira de Desapegão, jornalista como eu, comadre das antigas e pessoa iluminada. Hoje, ela empresta sua linda luz ao 365, como segunda autora convidada do blog