09/04/2015

Ressureição maldita

Ainda no rol dos infortúnios causados pelas madeixas longas e pesadas, acabo de detectar a volta de uma antiga inimiga, até então adormecida: a caspa.

Crap.

Como lavar os cabelos todos os dias virou uma dureza, não só por conta do comprimento dos fios, mas também pela crise hídrica que assola São Paulo, decidi espaçar o uso do shampoo durante a semana, apelando vez ou outra para o shampoo seco. E o resultado foi uma cabeça coroada por horrorosas descamações esbranquiçadas, igual à dos longínquos tempos de aborrescência.

Nessa reportagem do portal M de Mulher, o dermatologista Adilson Costa recomenda a lavagem diária da juba para amenizar o problema (dando fim ao mito de que tal procedimento é uma de suas causas), sobretudo se houver oleosidade excessiva - exatamente o caso da minha.

Atenção ao "amenizar", porque a caspa não tem cura, segundo outro dermatologista, Valcinir Bedin. "Ela pode acompanhar a pessoa ao longo da vida, com períodos de melhora e piora. Porém, o tratamento adequado (veja qual) possibilita reduzir os sintomas, como coceiras e descamações", complementa.

Delícia, né?

E lá vou eu retomar a labuta da lavagem diária, esvaziando o estoque de shampoo - e a Cantareira.