02/02/2015

Em tempos de crise hídrica, o shampoo seco salva



Nunca botei muita fé. Um pó para lavar o cabelo? WTF? Mas, com a Cantareira evaporando e a possibilidade de um drástico racionamento de água assombrando São Paulo (adicional ao que já é feito, na surdina, há um ano, vale ressaltar), não teve jeito: precisei aderir ao shampoo seco.

E o troço funciona!

Logicamente, não dá para usar toda hora, mas substitui com louvor um dia ou outro de lavagem - a cidade agradece, especialmente se as suas madeixas demandam bons litros de água para ficarem limpas, como as minhas.

Escolhi uma marca recomendada pela blogosfera da beleza, Batiste, e apliquei o produto seguindo as instruções do fabricante (veja aqui): nas raízes, ao redor da cabeça, deixando o spray a uns 30 centímetros de distância e massageando a juba, depois, com as pontas dos dedos.



O pó é leve, tem cheiro suave, não deixa resíduos e acaba, incrivelmente, com a oleosidade da cabeleira (veja a foto lá no alto). Uma ótima saída para economizar água - ou para quando ela sumir de vez...