03/11/2014

Valorizando a doação



Minhas madeixas nipônicas atraem elogios frequentemente - e também algum ódio, sobretudo feminino. Dizer que eu não preciso fazer nada para manter a juba lisa e brilhante é quase um insulto para muitas mulheres. Por isso, neste post, vou falar um pouco sobre as características dos cabelos orientais, que os tornam tão desejados e, assim, um material valioso para doação.

A lisura natural e a grande espessura dos fios vêm de uma estrutura robusta, composta por várias capas de células de cutículas. É esta proteção, inclusive, que faz das madeixas asiáticas as mais resistentes à ação de secadores, chapinhas, escovas e agentes químicos em geral. Tente fazer um cachinho na minha franja e comprove.

Outro elemento característico dos fios orientais é a medula, o “miolo” das fibras, também responsável pela grossura delas. Nos demais tipos de fios, a medula pode ser ausente ou descontínua, mas, nos asiáticos, está sempre presente. E, no nosso caso, ela ainda surge repleta de pigmentos, contribuindo para o maior brilho da juba.

Aprender tudo isso foi bom para a autoestima, mas me alegrou mais saber que poderei doar, no fim de 365 dias, um material tão resistente, além de desejado.

Mulheres, me perdoem?