17/10/2014

Friozinho

É quando o blog finalmente vai ao ar que a realidade mostra as suas garras. Agora, no way back. Trezentos e sessenta e cinco dias. Nenhuma tesourada. Nenhuma navalhada. Quanto vai me custar a manutenção de uma juba tão suculenta? Será que a economia em salão pagará o shampoo e o condicionador extras? Quanto estarão medindo as madeixas daqui a um ano? Pior: quanto estarão pesando?? Os fios nipônicos são grossos, amigo...

E o medo de acordar com um turbante de cabelo emaranhado todas as manhãs? Há como desembaraçar essa fiapeira de maneira rápida e indolor? Pelo visto, não será uma caminhada solitária. Precisarei do apoio e da orientação das amigas divas, abençoadas com o cabelão, para não me afogar na própria juba. Ao menos, terei material farto para encher este blog, com detalhes de cada aprendizado, das dores às glórias. Tamo junto? Vem comigo!