23/12/2014

Até 2015. Pá!



Amados, este blog vai dar uma pausénha para as festas, a comilança e o merecido descanso de fim de ano. Volto em janeiro, espero, com fôlego renovado e cabeleira reenergizada. Muito obrigado pela companhia até aqui!

E que 2015 seja o ano em que a solidariedade bata muito, mas muito cabelo.

22/12/2014

Como você mede um ano?



Já chorei muito ouvindo 'Seasons of Love', a primeira canção do musical 'Rent' (sou desses, sorry), que traz uma perguntinha bem propícia para tempos de Natal e réveillon: como você mede um ano? Em sóis, em luas? Em centímetros, quilômetros? Em risos, discussões, xícaras de café? Lágrimas, lições aprendidas, pontes destruídas... mortes?

Tentando colocar 2014 na balança, hoje, me flagrei amaldiçoando estes 365 dias prestes a acabar, pensando "vão tarde". De fato, se a minha régua tiver como alvos as decepções profissionais, as amizades desfeitas, tantos laços enfraquecidos, as dores e as lágrimas de pessoas essenciais... que este ano caia logo no esquecimento.

Mas aí veio 'Seasons of Love' e o dramalhão açucarado da Broadway, de repente, deu fim à minha embriaguez derrotista como uma injeção de glicose. How do you measure a year? Remember a year in the life of friends. Remember the love. Measure in love.

Meça o ano em amor, diz o elenco de 'Rent' – ressuscitado de algum ponto obscuro (embora purpurinado) do meu inconsciente. Meça naquele amor que completou oito anos em 2014 e parece eternizado a cada dia. Meça nos amigos que ficaram. Nas amizades que cresceram. Na esperança que se renovou. Enfim, meça no que deu certo (este blog, pô!).

Meu ano? Foi lindo.

18/12/2014

O maior fã do perucão solidário

Dois meses já se passaram desde que decidi ficar 365 dias sem cortar o cabelo, para doá-lo depois. E, enquanto eu tento lidar com os efeitos colaterais desta iniciativa sem surtar, alguém vem se deleitando com os fios cada vez mais longos, volumosos e pesados: Jun, meu gato.

Veja no vídeo:

08/12/2014

A amiga diva ensina #2: cuidando do cabelão na correria



Mari Chaya, ou just Chaya, é comadre das antigas e minha BFF heroína: ela consegue cuidar de dois filhos (absurdamente lindos, aliás), fazer faculdade e ainda continuar belíssima, com as madeixas invejáveis (apesar de sempre em pé, por conta das crianças, Mei e Jun, como você vê na foto). A genética japa que compartilhamos, vale ressaltar, dá aquela força. Manter uma juba oriental em dia, como já contei aqui, não requer muita luta. Mesmo assim, Chaya tem os seus truquezinhos de beleza capilar e divide alguns com a gente - pensando sobretudo em quem, como ela, vive contra o relógio - neste segundo post da série 'A amiga diva ensina'. Diga aí, minha nega!

Eu - Quantas vezes por semana você lava o seu cabelão nipônico?

Chaya - Olha, Márcio, existem alguns motivos para eu não lavar o cabelão todos os dias ou até com rigor em dias alternados. Primeiro: nossa água está prestes a acabar! Segundo: meu cabelo cai muito, então, aprendi que a lavagem diária diminui a proteção natural do couro cabeludo, aumentando a queda. Terceiro: meu cabelo demora muito a secar, deixando o couro cabeludo úmido por muito tempo, o que facilita o surgimento de doenças capilares. Por último (e  aqui você deixa de acreditar em todos os meus motivos anteriores): minha falta de tempo.

Nessa correria, dá para ter outros cuidados especiais com as madeixas?

Uma coisa me ajuda muito: eu não penteio o cabelo. Uma coisa me atrapalha muito: preciso usar o secador para não ter minha blusa encharcada e grudada nas costas. Existem alguns produtos que "lavam" o cabelo a seco... Não é indicado o seu uso regular, mas de vez em quando... que mal tem?

E o condicionador, usa com que frequência?

Uso condicionador todas as vezes em que lavo o cabelo.

Você ainda será minha amiga quando eu começar a usar um hashi para prender o coque no alto da cabeça?

Deixando um par para eu o comer o meu sushi...

01/12/2014

Deixar o cabelo crescer é:

- Descobrir que você nunca mais poderá escovar os dentes sem prender a juba. Porque comer o próprio cabelo com a boca cheia de pasta não é legal.

- Descobrir que um vento forte no cabelão pode te deixar mais desorientado do que DDA em suruba.

- Descobrir que desatar um nó nas madeixas pode acabar com o humor de uma semana.

- Ouvir do ativista do Greenpeace, na porta do metrô: “Vamos ajudar, amiga?”

- Entrar no metrô e ouvir da criança que aponta o dedo para a sua cabeça: "Mãe, isso não é cabelo de mulher?"

- Cancelar o seu treino de natação porque você se esqueceu de levar... os óculos? A sunga? A touca? O espírito esportivo? Não, a porra de um elástico de cabelo.

- Ofuscar qualquer esforço fashion com o volume da sua juba.

- Imaginar se daria para ficar rico produzindo sabão com a gordura que jorra do seu couro cabeludo.

26/11/2014

Quarentões, famosos, cabeludos... e dignos

Em fevereiro de 2015, completarei 40 anos. E o medo de virar um inadequado tiozão de madeixas longas já me atormenta. Por isso, procurei consolo em alguns quarentões famosos e cabeludos, aqueles que ganharam juba sem perder a linha. Será que eu chego?



Brad Pitt



Jared Leto



Gavin Rossdale



Christian Bale



Josh Holloway



Legolas Greenleaf (este, já um pouco acima dos 40...)

24/11/2014

Projeto da juba solidária completa um mês



Escrevo este post em 24 de novembro de 2014, exatamente 38 dias após o início do projeto do perucão solidário (lembra do day one?). As fotos acima mostram que o tempo já deixa marcas no comprimento das minhas madeixas - no lado esquerdo está o registro do primeiro dia e, no direito, o de hoje. Sinto os fios mais pesados e prendê-los virou rotina quase diária. Elásticos acabaram promovidos, assim, a artigos de primeira necessidade.

No quesito manutenção, não tenho enfrentado dificuldade. Lavo todos os dias, como sempre fiz, e condiciono vez ou outra, só nas pontas. Mas sei que a coisa deve se complicar lá na frente, quando eu, de fato, puder chamar meu cabelo de comprido. Aí, a ajuda das amigas divas (novas participações estão por vir!) será valiosíssima.

O melhor resultado destes 38 primeiros dias, entretanto, não está pendurado na minha cabeça. Amigas e novas amigas decidindo me acompanhar na missão de ficar um ano inteiro sem cortar a juba, para fins de doação, foram os frutos mais bacanas - e surpreendentes - até agora. Que essa corrente do bem vire, ao fim dos 327 dias restantes do projeto, uma bela trança de Rapunzel.

19/11/2014

Como se faz uma peruca?

O jornal gaúcho 'Zero Hora' produziu uma linda reportagem sobre como os cabelos de doadores se transformam em perucas para crianças e mulheres com câncer. Segundo a matéria, são necessárias mechas fornecidas por duas ou três pessoas e em média quatro dias de trabalho para a confecção de apenas uma peruca.

Saiba como doar os seus cabelos

Veja o passo-a-passo:



Depois de separadas de acordo com textura e cor, as mechas passam por limpeza em um cardeador, equipamento com fileiras de pinos de metal que retem os fios mais curtos.



Os fios são unidos, lado a lado, por linhas de costura. Cada metro da tira de cabelo demora uma hora para ficar pronto.



Depois de limpa, uma tira de 12 metros de tecelagem de cabelos começa a ser fixada na touca de telas, em sentido espiral.



Para que o miolo da peruca fique com acabamento natural, os fios são fixados na toca um a um.



A finalização é feita por um cabeleireiro. Se necessário, os fios são pintados.

Leia a matéria na íntegra, com depoimentos de quem doou e de quem recebeu cabelos

17/11/2014

Obrigado, Isabela! ;)



Foi a filha de 8 anos quem incentivou a jornalista Paloma Cotes a deixar as madeixas crescerem. "Eu sempre cortei supercurto, mas a Isabela queria me ver de cabelo comprido", conta. Aí, a vontade de agradar sua pequena se juntou à solidariedade. "Comecei a pesquisar iniciativas que mostravam que era possível doar os cabelos. Então, prometi à Isabela que doaria os meus quando eles ficassem bem compridos."

A decisão acabou esbarrando aqui no 365 por meio do Facebook. "Li o post sobre a Laura (amiga diva-mor) e resolvi participar do projeto." Nascia, assim, mais uma grande parceira do blog. Paloma se junta a Stella Ribeiro e Sabrina Braile na iniciativa de me acompanhar a passar 365 dias sem aparar a juba, para doá-la no fim do período. "Não me importo de deixar meu cabelo curto novamente por uma boa causa", promete a nova cabeluda do bem.

Já buscando cumprir a missão com louvor, Paloma investe na tonalização dos fios brancos e na hidratação, para que as madeixas cresçam saudáveis e não pesem muito. "Espero que, no fim, elas rendam uma peruca bem bonita." Aplausos!

10/11/2014

Mais uma adesão! \o/



Amiga do coração e, agora, do cabelão. Sabrina Braile é a segunda bela e querida a aderir ao projeto do perucón solidário! A primeira - lembra? - foi Stella Ribeiro, que, inclusive, inspirou Sá a decidir ficar 365 dias sem cortas as madeixas, doando-as, depois, a uma instituição que confecciona perucas para pacientes com câncer.

Que lindeza essa corrente do bem se formando por aqui, viu?

E Sá ainda passa a representar as divas de cabelos ondulados e cacheados, antes ausentes no blog. Quer lacrar o c** das inimigas com fios longos e encaracolados? Confira as dicas preciosas da nova parceira do 365!

Eu - O que te fez tomar a decisão de doar as madeixas, Sá?

- Tenho vontade de doar desde que conheci a iniciativa, há coisa de um ano. Sei que perucas de cabelo natural são bem caras e inacessíveis a grande parte das pacientes de câncer. Fiquei animada com seu projeto e, quando vi a adesão da Stella, decidi aderir também. :)

Você sabe qual o comprimento do seu rabo (ui) hoje?

Tenho 39 cm de rabo. Se esticar, são 44.

Como você mora em Brasília, vai doar os seus cabelos para uma instituição daí, certo? Já conhece alguma? Apresenta pra gente?

Por enquanto, conheço apenas a Rede Feminina de Combate ao Câncer, que recebe doações e distribui as perucas entre pacientes do Hospital de Base. Há também um salão de beleza que faz o corte e já encaminha o cabelo para a confecção das perucas, que serão entregues também ao Hospital de Base do DF.

Sua juba é ondulada e toda linda. Que rotina de cuidados você adota? 

Sou cosmetic freak e viciada em todo tipo de finalizadores: cremes sem enxágue, mousses, ativadores de cachos. Gosto de usar óleos, mas só os de origem vegetal (óleo de coco, de argan, etc.). Não tenho feito nenhum procedimento com química e isso ajuda o cabelo a crescer saudável. Também não uso produtos que contenham sulfatos ou parabenos.

Você jura por Nossa Senhora do Cabelo Duro que não vai dar nem uma aparadinha no cabelo? Se quebrar o pacto, vai me contar? Não disse nada antes, mas a punição para quem desistir do projeto é perder um dedo...

Juro que prometo! Ficar sem cortar é super de boa pra mim. Tenho a hippie interior bastante aflorada!

05/11/2014

Cabeludo, mas na moda



O fim de mais uma São Paulo Fashion Week, nesta sexta-feira, me faz lembrar, com certa nostalgia, dos tempos em que moda dominava o meu calvário pelo jornalismo. Cobri vários desfiles na mesma SPFW (incluindo backstages, quase sucursais do inferno), escrevi matérias diversas sobre o assunto, produzi editoriais e até assinei colunas em jornais. Mesmo sofrendo e bufando, eu conseguia me divertir. E sempre gostei de roupas. Muito.

Ainda assim, nunca fui um it boy ou fashionista típico. Cultivo um senso de estética bem particular e procuro ser fiel a ele, preferindo não seguir tendências.

Tal postura, entretanto, não evitou que, quando decidi encarar o desafio do cabelão, um leve calafrio escalasse a minha espinha. "Vai ficar bom com o que possuo no guarda-roupa?", matutei. "Não ficarei datado?" E aí todo aquele discursinho tenho-estilo-e-só-visto-o-que-quero evaporou. Fui correndo ver se homem de cabelo comprido ainda pode ser fashion.



Descobri que em voga mesmo estão os cortes bem batidos ao redor da cabeça e volumosos em cima, de ar retrô, como mostra o site Moda para Homens. Mas (ufa!) também há espaço para os fios longos presos em coque, acima ou atrás do crânio (como bem citou a amiga diva Laura). Uma ótima saída, aliás, para os dias em que a juba virar um ninho de urubu ao amanhecer. E o 'visu', veja só, ainda harmoniza com os meus looks tããão autorais.

Enfim: bom saber que os cabeludos têm lugar na moda - e péssimo assumir que eu não ligo para tendências até a página dois.


Fotos: Moda para Homens

03/11/2014

Valorizando a doação



Minhas madeixas nipônicas atraem elogios frequentemente - e também algum ódio, sobretudo feminino. Dizer que eu não preciso fazer nada para manter a juba lisa e brilhante é quase um insulto para muitas mulheres. Por isso, neste post, vou falar um pouco sobre as características dos cabelos orientais, que os tornam tão desejados e, assim, um material valioso para doação.

A lisura natural e a grande espessura dos fios vêm de uma estrutura robusta, composta por várias capas de células de cutículas. É esta proteção, inclusive, que faz das madeixas asiáticas as mais resistentes à ação de secadores, chapinhas, escovas e agentes químicos em geral. Tente fazer um cachinho na minha franja e comprove.

Outro elemento característico dos fios orientais é a medula, o “miolo” das fibras, também responsável pela grossura delas. Nos demais tipos de fios, a medula pode ser ausente ou descontínua, mas, nos asiáticos, está sempre presente. E, no nosso caso, ela ainda surge repleta de pigmentos, contribuindo para o maior brilho da juba.

Aprender tudo isso foi bom para a autoestima, mas me alegrou mais saber que poderei doar, no fim de 365 dias, um material tão resistente, além de desejado.

Mulheres, me perdoem?

30/10/2014

Foto nova, por Daniel Aratangy. Fiquei rico?



Depois de Laura Ancona e Stella Ribeiro, o blog recebe o apoio de outro amigo especial - e, com o perdão da palavra, muito foda. Daniel Aratangy, top fotógrafo, dono de um portfólio estrelado, se dispôs a fazer fotos minhas para que o retrato tristinho antes pendurado aí do lado pudesse ser trocado. E os trabalhos do moço mostram quão grande é o privilégio de virar seu modelo. Emocionei, viu?



A maestria com as imagens se repete em outra atividade: o SUP (stand up paddle). Praticante exímio, Dani relata as suas aventuras sobre a pranchona, com fotos incríveis e mapas detalhados, no blog Caminhos do SUP. O post mais recente, aliás, descreve as remadas que ele e Lau (os dois são casados) encararam no... Japão! Imperdível.

Muito obrigado, Dani-san, pelo apoio! Só você mesmo para dar um jeito na minha cara.

Quando eu ficar rico, te pago. Mas espera sentado, tá?

28/10/2014

E o Projeto Perucão ganha a sua primeira adesão



Do rol das amigas divas saiu uma parceiraça. Linda, querida e cabeluda, Stella Ribeiro decidiu acompanhar este blogueiro na missão de ficar 365 dias sem cortar as madeixas e, depois, doá-las a uma instituição que confecciona e entrega perucas a crianças com câncer. Nesta entrevista, ela conta como tomou a decisão e como está se preparando para encarar um ano inteiro longe das tesouras. Ah, Stella é irmã de Laura Ancona, BFF deusa que também já colaborou com o blog. Gene abençoado esse...

Eu - Por que você decidiu deixar o cabelo crescer durante 365 dias e doá-lo depois?

Stella - Fiquei muito sensibilizada com a causa depois de entrar nos sites que você indicou no blog (no post “Como doar o meu cabelo?”). A gente sabe da quantidade de pessoas enfrentando essa batalha contra o câncer, mas ver as fotos das crianças recebendo as perucas feitas com os cabelos doados mexeu comigo. Além disso, fiquei impressionada com a quantidade de cabelo necessária para fazer uma única peruca e pensei que, como o meu cabelo já é bem comprido, talvez ele sozinho pudesse dar uma peruca inteira. Por fim, este é o motivo nobre que me faltava para criar coragem e encarar uma mudança radical no visual (acho corte chanel muito chique, mas nunca tive coragem!).

Quantos centímetros de madeixas doáveis você tem hoje? Daqui a um ano, elas terão cerca de 12 cm a mais. Com quantos ficarão?

Hoje meu cabelo tem já tem 39 centímetros, um rabão! Tudo indica que, em um ano, ele terá passado dos 50 cm.



Você já teve um cabelo tão longo?

Acho que não, se bem que toda adolescente passa por um "momento evangélico" ;)

Como você planeja enfrentar esses 365 dias sem tesoura? Pensa em adotar produtos ou tratamentos novos?

Não será nada fácil, hoje em dia não tenho mais paciência para um cabelo tão comprido. Na verdade, meu cabelo só está longo assim agora porque acabei de me casar e passei o ano inteiro só aparando as pontas, para poder ter bastante “material” para fazer o penteado. Eu não tenho um ritual de cuidados muito complicado com o cabelo, acho que tenho sorte porque nunca coloquei química nele, então, não me dá muito trabalho. Cabelo comprido cai bastante, por isso, de tempos em tempos, tomo umas vitaminas (Pantogar ou Inneov), por três meses, para eles crescerem mais saudáveis. Além disso, só passo leave-in depois de lavar (sagrado!), para as pontas não ficarem muito ressecadas. Mas, agora, vou precisar aprender alguns truques de styling com as amigas e minha querida irmã (que é craque), para não ficar com aquele cabelão liso reto Maria-Madalena. #ninguémerece

Você tem cabelos lisos e pretos como os meus. Se eu desistir do projeto no meio do caminho, você me empresta um pouco dos seus?

Claro! Mas e se eu também quiser desistir?! Precisamos da adesão de mais um (a) cabeludo (a) à nossa causa, para nos ajudar a manter o foco!




Fotos: Daniel Aratangy

26/10/2014

Uma missão de 1.460 dias

Este não é um blog de direita ou esquerda. É um blog comprometido com as causas sociais. Portanto, se alegra com a reeleição de um governo atrelado a este compromisso. Mas à comemoração se soma a vigilância. Agora, o 365 começa uma nova missão, que não durará 365 dias; serão 1.460 dias de monitoramento e cobrança, para que o compromisso, renovado, se concretize - e o grito por um país mais solidário e tolerante seja ouvido.

23/10/2014

A amiga diva ensina



Laura Ancona, minha BFF deusa, inaugura esta série especial de posts, em que mulheres lindas, vaidosas e, claro, muito cabeludas dão dicas preciosas sobre como cuidar melhor da juba. Veja o que Lau tem a nos ensinar sobre universo capilar e amizade:

Eu - Quantos frascos de shampoo o seu cabelão consome por mês?

Lau - Uso, em média, um frasco (dos grandes) a cada dez dias. Meu cabelo é bem grosso e em muita quantidade, de comprimento médio (já tive na cintura, hoje não tenho mais paciência). Tenho que lavar ao menos duas vezes a cada banho. Recentemente uma amiga, que também tem a raiz oleosa, me ensinou uma técnica muito simples e bastante eficaz para deixá-los mais soltos, com um volume bonito: colocar um pouco de shampoo dentro de um potinho, completar com água, mexer bem e jogar nos fios. A água "dissolve" o produto, o que ajuda a espalhar de forma homogênea. Fez muita diferença!

Como usar o condicionador em madeixas com mais de 20 centímetros? Só nas pontas ou também no comprimento?

Por muitos anos fiz reflexos, e isso acabou ressecando o cabelo. Não posso usar condicionador no comprimento, pois minha raiz é bem oleosa. Então optava por hidratar apenas as pontas, mas às vezes os fios ficavam com um aspecto opaco, sem vida. Estava cansada do visual "praia" e há um mês radicalizei, escureci tudo, da raiz às pontas. O cabelo ficou bem mais saudável mas, por outro lado, mais oleoso também. Então só uso condicionador uma vez por semana. Em todas as outras, apenas lavo com shampoo e, depois do banho, uso umas gotinhas de Moroccan Oil nas pontas. Esse óleo é mais leve, não "gruda" os fios, deixando-os brilhantes, com cara de "nasci assim".

Você ainda será minha amiga quando formos à praia e meu cabelo virar um gorila por conta da umidade?

Claro! Vou te ensinar todos os truques para continuar diva com cabelón + umidade. Meus preferidos são o coque alto, que deixa com cara de rica, e a trança lateral, desconstruída. Meio Brooke Shields na Lagoa Azul, saca? ;)


Fotos: Daniel Aratangy

21/10/2014

Você sabe quanto o seu cabelo cresce por mês?

Mais uma pergunta respondida pelo dr. Google: em média, as madeixas ganham, mensalmente, 1 centímetro de comprimento. Assim, no fim do projeto, estarei com 12 centímetros a mais de juba, o que somará um total de 28 centímetros para doação - e levará o meu rabo (lembra dele?) até um pouco acima do meio das costas.

Para quem já se via tropeçando no próprio cabelo daqui a 365 dias, tal descoberta representa 365 centímetros de alívio.

19/10/2014

Revelação: tenho 16 cm

O título deste post fica ainda mais embaraçoso quando eu digo que, pela primeira vez, mostro o meu rabo em público. Mas a foto abaixo esclarece: não estou fazendo revelações íntimas e desnecessárias aqui.



Já contei antes que, para doar o cabelo à instituição encarregada de confeccionar a peruca, é necessário prendê-lo com um elástico e passar a tesoura acima da amarração. O fecho cortado deve ter comprimento mínimo entre 10 e 20 centímetros, dependendo da entidade escolhida. Por isso, decidi verificar qual é o 'material' para doação de que disponho hoje.

O resultado me surpreendeu: conto com 16 centímetros de juba 'doável'! Bom saber que superei a medida mínima requerida por algumas instituições já no início da missão. Agora, preciso assegurar que, além de comprimento, os fios tenham, até a hora da doação, saúde. E é aí que o projeto, de fato, começa...

Ah, bora limpar essa mente? ;)

18/10/2014

Como doar o meu cabelo?

A pergunta é respondida, obviamente, com uma rápida pesquisa no Google. E você descobre que dá para doar as suas madeixas até pelos Correios. Lindo, não? Cada instituição que se dedica à confecção de perucas voltadas a pacientes com câncer tem os seus próprios requisitos para a doação - por isso, antes de doar, convém entrar em contato com a entidade escolhida e se inteirar melhor dos critérios. Mas, em linhas gerais, a maioria recebe qualquer tipo de cabelo, mesmo com química, e o comprimento mínimo varia de 10 a 20 centímetros.

Na hora de cortar, é preciso fazer um rabo, preso com elástico, e passar a tesoura acima dele. Para o envio pelos Correios, o rabo deve ser colocado em um saco plástico, com os fios secos.

Uma das instituições mais conhecidas fica aqui em São Paulo: é a Cabelegria, que compartilha com este primeiro projeto do 365 o objetivo de ajudar crianças com câncer. A ONG teve início em outubro de 2013 e já conta com mais de 250 mil fãs no Facebook. No site da instituição, dá para ver fotos e ler histórias de quem já doou e recebeu os cabelos. Tudo bem fofo e emocionante.

Update em 21/10/14: também em São Paulo, descobri a Rapunzel Solidária, entidade criada em março de 2013 por uma ex-paciente com câncer e que já possui mais de 28 mil fãs no Facebook. Vale conhecer.

No Rio, existe a Fundação Laço Rosa, voltada à divulgação sobre detecção precoce e combate ao câncer de mama. A entidade mantém o Banco de Perucas, cuja missão é doar novas madeixas para pacientes que enfrentam a quimioterapia em todo o Brasil. Parece que a fundação deixou de receber os cabelos pelos Correios, mas, no site, há uma relação dos postos de entrega (todos no Rio).

Se você quiser mais informações sobre como fazer doações, além de indicações de instituições de outros Estados, entre aqui.

Enfim, este é apenas o começo das minhas pesquisas e andanças pelo mundo da solidariedade capilar. Vários novos dados, lugares e pessoas certamente surgirão nos 365 dias deste primeiro projeto. Será que eu chego? Continue acompanhando o blog e descubra!

17/10/2014

E a água?

Complementando o post anterior, me veio mais um medinho: como será lavar a juba quilométrica com as torneiras secas, anunciadas em São Paulo a partir dos próximos meses? Ferrou?

Friozinho

É quando o blog finalmente vai ao ar que a realidade mostra as suas garras. Agora, no way back. Trezentos e sessenta e cinco dias. Nenhuma tesourada. Nenhuma navalhada. Quanto vai me custar a manutenção de uma juba tão suculenta? Será que a economia em salão pagará o shampoo e o condicionador extras? Quanto estarão medindo as madeixas daqui a um ano? Pior: quanto estarão pesando?? Os fios nipônicos são grossos, amigo...

E o medo de acordar com um turbante de cabelo emaranhado todas as manhãs? Há como desembaraçar essa fiapeira de maneira rápida e indolor? Pelo visto, não será uma caminhada solitária. Precisarei do apoio e da orientação das amigas divas, abençoadas com o cabelão, para não me afogar na própria juba. Ao menos, terei material farto para encher este blog, com detalhes de cada aprendizado, das dores às glórias. Tamo junto? Vem comigo!

Projeto Perucão, day one



Eis o meu cabelo hoje, em 17 de outubro de 2014. Durante 365 dias, eu me comprometo a deixá-lo crescer livremente, bem longe das tesouras de qualquer cabeleireiro. Minha precária situação financeira justificaria tal decisão, mas a questão é outra: no fim da jornada, quero transformar as madeixas em uma peruca e doá-la para uma criança com câncer. Data do corte: 17 de outubro de 2015. Terei êxito? Fracassarei? Pegarei piolho? Acompanhe todos os detalhes do projeto, o primeiro deste blog, a partir de hoje!